Omega Pneus

O QUE SÃO OS CARROS CONECTADOS

segunda-feira, 11 novembro, 2019 | 10:34

As novas tecnologias automotivas estão transformando o setor com grandes implicações tanto para os fabricantes quanto para os consumidores. O carro de hoje tem a mesma capacidade de 20 computadores, possui cerca de 100 milhões de linhas de código de programação e processa até 25 gigabytes de dados por hora. 

Os carros estão se tornando muito mais do que meios de transporte. Eles fazem parte do maior conjunto de dispositivos e softwares que auxiliam a integração da mobilidade e conectividade

No entanto, enquanto a tradicional tecnologia veicular busca a otimização das funções internas do veículo, a atenção do mercado está voltada para o desenvolvimento da capacidade do carro em se conectar com o mundo exterior e melhorar a experiência a bordo. Como a conectividade é a evolução do carro atual, os efeitos são profundos sobre a indústria automobilística. Esse sentimento foi claramente demonstrado em 2009 pelo então presidente da Ford, Alan Mulally, com a seguinte comparação: “Somos uma empresa de automóveis, mas estamos aprendendo a pensar como uma empresa de eletrônicos”. E assim evolui o mercado automobilístico desde então.

Segundo a pesquisa “Connected Car Consumer Survey 2014”, realizada pela McKinsey em alguns países como Alemanha, Estados Unidos e Brasil, 13% dos consumidores já não estão dispostos sequer a considerar a compra de um novo veículo sem acesso à Internet, e mais de um quarto já prioriza a plataforma da conectividade sobre características como a potência do motor e eficiência de combustível. Dessa forma se pode afirmar que a quantidade de recurso digital conectado em um carro está crescendo em linha com as expectativas dos consumidores. Porém o ciclo de desenvolvimento do veículos, que é de cinco a sete anos, é mais longo do que a geração de softwares, frequentemente menos de dois anos, portanto a inovação tecnológica de conectividade do carro só poderá ser introduzida de forma gradual, muitas vezes com frente de desenvolvimento fora das montadoras de aumotóveis. 

Esse é hoje o carro conectado: um veículo capaz de otimizar a comunicação de sua própria operação e manutenção, e também a comodidade e conforto do motorista e passageiros que utilizam os sensores internos e a conectividade com outras pessoas, serviços e automóveis.  

Os recursos de um carro conectado se diversificam em várias categorias: segurança, navegação, informação, aparelhos para diagnósticos e soluções de eficiência…. não tem limites! Aqui vão apenas alguns exemplos relacionados a funcionalidade da tecnologia atual e de seu potencial de alcance:

Funções de info-entretenimento:
– Conexão com aplicativos de Smartphone / iOS / Android.

– Conexões de Internet podem fornecer informações que alertam sobre tráfego, colisões, alagamentos, manifestações e outros alertas de segurança em tempo real. 

– Serviços de assistência alertam o motorista sobre o momento que deve iniciar o percurso para chegar a tempo de um compromisso que está no calendário, e pode enviar sms para amigos ou parceiros de negócios para alertá-los sobre os horários de chegada. 

– Música/áudio, podcasts, rádio via Internet através do dispositivo, como smartphone ou tablet. Existem aplicativos que reproduzem a música de acordo com o seu estado de espírito.

– Comando de voz – O sistema pode interagir com comandos de voz simples, como: “Reproduzir minha música”, mas pode também reproduzir um pedido mais sofisticados como: “Estou com fome” e restaurantes próximos são exibidos na tela.

– Wi-Fi hotspots – conexão Wi-Fi dentro do veículo com a pré instalação de um SIM Card ativo.

– Ajuda / ofertas de serviços – Um sistema que aprende a preferência do motorista e oferece assistência, como quando o tanque de gasolina é baixo, mostra postos de gasolina nas proximidades e respectivo preço de venda. 

– Bluetooth – Essa conectividade sem fio geralmente permite que o motorista use um telefone celular ou smartphone para fazer e receber ligações, mas também transmitir música a partir de dispositivos como iPod, iPhone, smartphone ou tablet ou iPad. O sistema mobile está conectado aos autofalantes do veículo.

Funções de Segurança
– Assistência de estrada – Uma equipe de atendimento ajuda os motoristas em caso de acidente ou outros perigos, contactando às autoridades e ao resgate, dependendo da necessidade.

– Ajuda de Tráfego, segurança e aviso de acidentes – Quando o carro está conectado à navegação ou a algum sistema de mapeamento, redes como Waze, Google Maps ou TomTom, o motorista pode ser notificado sobre acidentes e trânsito.

Eficiência de Diagnóstico
– Diagnósticos de automóveis – os sistemas alertam o motorista para manutenção necessária e problemas com o próprio carro como um problema no freio, por exemplo.

– Prognósticos preditivos – Proprietários de carros recebem avisos quando o motor de arranque, motor de combustível ou bateria estão prestes a falhar.

– Relatórios de saúde – os proprietários recebem relatórios de saúde que são captados por sensores.

– Aplicações remotas – Diversas funções podem ser iniciadas remotamente, como o ligar o motor, a abertura/fechamento remoto da porta, o acionamento remoto do ar condicionado para refrigerar ou aquecer o carro, identificar localização do carro, alertas, monitoramento de adolescente e idoso e valet.

Geolocalização
– É possivel conectar qualquer sistema de navegação atualizada através de um aplicativo smartphone / iPhone / Android que utilize um sistema de navegação GPS.

– Receber alertas de texto – Quando o motorista estiver fora do carro e conectado ao aplicativo, o motorista pode receber uma notificação do melhor momento para iniciar o trajeto e a velocidade média da rota.

– Tráfego em tempo real – Orientação usando tráfego em tempo real e proposta de desvios de rua e rotas alternativas. O mesmo acontece com notificações sobre o tempo.

– Estacionamento apps – Mapas de localização de estacionamentos nas proximidades.

Pagamentos
Em um breve futuro o motorista não deverá que deixar o carro para efetuar pagamentos de combustivel ou outros serviços. A DocuSign e a Visa estão em fase de teste de um novo conceito que reúne contratos seguros de pagamentos feitos on-line através de um carro conectado.

Atualmente não há um sistema operacional que domina a tecnologia da unidade principal do automóvel. A Apple anunciou o “CarPlay” em março de 2014, executado a partir do iPhone 5, que reproduz no display da tela os ícones que estão no celular e funciona com o auxílio de controle de voz da Siri. O Google revelou o “Android Auto” em junho de 2014, um sistema para smartphones Android semelhante ao “CarPlay” que usa comandos de voz e botões do volante.  Ambos sistemas já foram adotados em diversos modelos no Brasil e no mundo.

E como ficaria o Brasil nessa história?

Acostumados a passarem longos períodos de tempo dentro do próprio carro por conta dos imensos congestionamentos das grandes cidades e intermináveis rodovias do Brasil, os motoristas brasileiros são usuários com grande potencial para essa tecnologia.

Mesmo aqui, onde a maior parte dos veículos vendidos é de modelos econômicos e de pequeno porte, a modernização deve acontecer, e os brasileiros se mostram dispostos a pagar mais para usufruírem dessa conectividade.

De acordo com uma projeção da Gartner, empresa de consultoria e pesquisa, a Internet das Coisas (IoT) aplicada aos automóveis será a realidade de 250 milhões de veículos no mundo até 2020.

Então imagine você a bordo de um carro totalmente conectado, que reconhecesse as suas necessidades por meio de funcionalidades personalizadas?

A ciência da computação tem promovido verdadeiras revoluções, agora mais precisamente aplicadas ao trânsito. O Uconnect, por exemplo, é um sistema de inteligência que fornece informações ou entretenimento, através da combinação de tela sensível ao toque e voz, comandos no volante, monitor e teclas familiares, enquanto o motorista se concentra na estrada.

Tecnologia e segurança

Dois pontos importantes devem ser levados em consideração e ganhar atenção especial das empresas de telecomunicações. Um deles é o TEM (Telecom Expense Management) ou Gerenciamento dos Custos em Telecomunicações, que analisa impacto econômico e como fazer para gerenciar a conta gerada por tantos usuários e tipos de acesso.

O outro é a segurança, com o potencial risco de invasão de hackers aos satélites, parte vital da infraestrutura crítica da Internet. Com o crescimento no desenvolvimento da Internet das Coisas (IoT), o satélite assume papel ainda mais importante, pois se torna um vetor de ameaça, ou seja, um ponto suscetível a ciberataques, onde podem ser transmitidos sinais “maliciosos”.   

Ainda existem alguns pontos a desenvolver neste assunto, mas é inegável que a parceria entre a tecnologia da informação e a mecânica já está consolidada, e que a IoT aplicada aos automóveis faz da estrada para os carros conectados um caminho sem volta. Em busca do software que mais agrade os usuários, o céu é o limite para o desenvolvimento nessa área. E depois haja trabalho de marketing para as montadoras disputarem atenção do mercado.